"O que Lénin e Trotsky não atingiram com o fim de conduzir as forças que dormitam no bolchevismo para a vitória final, será obtido através da política mundial da Europa e América." - Rosenberg 1930

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

grande israel a caminho














a capital já está...agora, "só" falta o resto, território mais largo, etc

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

raça ariana - verticalidade espiritual

Características Psicológicas Raciais - III - Verticalidade Espiritual

A raça branca parece ser a mais isenta das três grandes taras simiescas que pesam ainda sobre a Humanidade: o espírito de imitação inconsciente; a excessiva lubricidade e a mania da facécia.
É o macaco grande imitador, e na espécie humana há também uma tendência semelhante, embora em menor grau.
Na espécie humana é a raça amarela que possui mais acentuada essa tendência imitativa. Assim os Japoneses, apenas em meio século, imitaram quase por completo os costumes, instituições e cultura europeia. No negro, também o espírito imitativo é grande. Vemo-los sair da selva quase nus e daí a pouco tempo, se puderem, usar fraque e coco, embora de pés descalços. As negras e especialmente as mestiças, essas então, logo que podem excedem as brancas no fraco pela moda e em coquetismo.
Uma inglesa ou uma escandinava de pura estirpe branca parecerá desleixada e desajeitada perante uma mestiça da Martinica, da África do Sul ou da Venezuela.
As populações brancas mudam muito mais dificilmente de ideias e de costumes do que os amarelos e os pretos, o que constitui um indício da sua superioridade. Infelizmente, o snobismo e a monomania da moda tendem cada vez mais a desenvolver o espírito de imitação simiesca entre as populações de raça branca, especialmente entre as mulheres, as multidões ignoran
tes e os parvenus enriquecidos à pressa por meios mais ou menos fraudulentos. Isto constitui um sintoma da decadência mental da nossa raça. 
Com efeito, nada há mais funesto e inferior, sob o ponto de vista mental, do que a tara da imitação inconsciente.
É por meio dela que as multidões ignoran
tes, as raças e classes atrasadas, são dominadas e conduzidas como rebanhos, conforme convém às oligarquias dominadoras. Por isso, estas oligarquias procuram sempre desenvolver a imitação inconsciente, o espírito de rebanho, o temor do ridículo, contra o espírito de iniciativa e livre apreciação.

A segunda grande tara simiesca é a excessiva lubricidade. O homem é muito menos lúbrico do que o macaco, e o homem branco, muito menos do que o negro e até do que o mongólico. Assim, para os negros e seus mestiços, a poligamia e os haréns são instituições tradicionais; ao passo que os brancos de pura estirpe, mesmo no estado selvagem, são essencialmente monógamos. Tácito descreve-nos os Germanos no seu estado selvagem, tendo como instituição fundamental a família monogâmica. Pelo contrário, a maior parte dos povos africanos e asiáticos, mais ou menos mestiçados, mesmo quando possuidores de uma certa cultura, vivem em regime poligâmico, e o harém é sempre a suprema aspiração. Os brancos passam por frios aos olhos dos negróides e mestiços de índole muito mais sensual, devido talvez em parte à sua pouca actividade intelectual.

A terceira grande tara simiesca é a mania da facécia. A raça branca, tanto nas suas manifestações artísticas como sociais, revela uma grande tendência para o sério, a austeridade e o heroísmo. Admite o cómico e o faceto como distracção passageira, mas despreza o jogral e o histrião. Uma Vénus mestiça de ar brejeiro, picante e sensual, jamais poderá possuir aquela beleza serena de linhas sóbrias e harmoniosas, que caracteriza as estátuas dos artistas clássicos.
Na poesia, a raça branca produziu a epopeia, o que ainda nenhuma outra raça conseguiu.
Nas produções musicais das populações brancas, temos admiráveis hinos, marchas entusiastas e melodias amorosas; mas jamais o génio musical do homem branco criaria uma coisa bizarra e abominavelmente faceta como o jazz-band, produto do génio artístico negróide.

FONTE: Perigos que Ameaçam a Europa e a Raça Branca: III – Adulteração e Eliminação da Raça Branca, J. Andrade Saraiva, Lisboa, 1932.


nota: onde está "raça branca" deve ler-se raça Ariana, obviamente, pois a "raça branca" é uma falácia.

sábado, 2 de dezembro de 2017

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

terça-feira, 28 de novembro de 2017

ultras do Paok atacam paquistaneses

obviamente que a polícia se meteu do lado dos violadores...

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

2 anos de geringonça













2 anos de governo de desastre (geringonça), iniciados exactamente 40 anos certos depois do derrube do 1ºgoverno marxista do pós-25 de Abril. Pedrógão, Tancos, Viseu, Leiria, Guarda, Madeira, etc e agora surto de Legionella. impostos em tudo o que respira, etc, etc, etc

protocolos forjados?




























a questão acaba por ser algo irrelevante, pois mais importante que saber se os documentos foram forjados ou não, é saber que tudo o que neles está contido aconteceu...e se foram forjados, de onde tudo aquilo foi tirado e quem se lembrou de tudo?

black friday















"Homens matar-se-ão uns aos outros para possuir mais, para ter coisas em maiores quantidades, mesmo que supérfluas e banais. Os plutocratas irão mergulhar numa desesperada corrida para dar cada vez mais bens luxuosos, a uma humanidade corrompida pela comodidade e ganância, e acabarão por não ser capazes de alimentar uma população cada vez mais numerosa." - Joseph Goebbels

sábado, 25 de novembro de 2017

suástica em Hamburgo
















suástica encontrada em campo de futebol na Alemanha

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

fogos intencionais



















quarta-feira, 22 de novembro de 2017

a fraude Marine Le Pen

"Pour ceux qui se feraient encore des illusions, non Marine Le Pen n'est pas une politicienne anti-Système.Elle travaille pour le Système.Elle ne veut pas chasser les immigrés et sauver la race blanche en France. Elle veut lutter contre l'extrémisme islamique qui freine l'intégration des immigrés musulmans à la population française (elle ne veut pas voir Rachid se prosterner en rue avec une longue barbe; elle veut le voir rasé de pr ès, habillé à l'occidentale et ayant engrossé Julie ou Amandine)

Elle défend la démocratie judéo-maçonnique qui transforme la France en melting-pot multi-ethnique. Elle ne veut pas lutter contre les immigrés afro-maghrébins.Elle veut les "franciser" (au sens républicain du terme) afin qu'ils intègrent plus vite le lit des Européennes et que le métissage s'accélère. Elle est opposée au Nazisme, ennemi juré de la juiverie et de la franc-maçonnerie dont elle défend les valeurs cosmopolites et métisseuses.

Bref, Marine Le Pen défend la démocratie (meilleure garante du pouvoir juif), les valeurs de la judéo-maçonnerie métisseuse et une certaine forme de "culture française" (pas la culture française millénaire, mais la culture française des 2 derniers siècles, c-à-d la France aux mains des Juifs et des Francs-Maçons, la France déclinante, la France en voie de mutation ethnique).Et ce n'est pas parce que des antifas la qualifie de nazie qu'elle l'est réellement. Elle est même l'exact opposé."

FONTE: youtube

terça-feira, 21 de novembro de 2017

as maiorias

- "Nada é mais repugnante do que a maioria, pois ela compõe-se de uns poucos antecessores enérgicos; velhacos que se acomodam; de fracos, que se assimilam, e da massa que vai atrás de rastros, sem nem de longe saber o que quer." Stuart Mill.

- "Não devemos de forma alguma preocupar-nos com o que diz a maioria, mas apenas com a opinião dos que têm conhecimento do justo e do injusto, e com a própria verdade." Platão.

- "Que é a maioria? A maioria é tolice. / O bom senso sempre tem sido de poucos. / Convém pesar os votos e não contá-los." Schiller.

- "Cada vez que te encontrares do lado da maioria, é tempo de fazer uma pausa e reflectir." Mark Twain.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

sábado, 18 de novembro de 2017

cristianismo e comunismo gémeos judeus


judeus-maçons e revolução francesa

É certo que havia judeus junto ao berço da Maçonaria – judeus cabalistas, como alguns ritos que foram preservados o comprovam. Nos anos que precederam a Revolução Francesa, eles muito provavelmente entraram em grande número nos conselhos da sociedade e fundaram as suas próprias sociedades secretas. Havia judeus ao redor de Weishaupt, e Martinez de Pasqualis, um judeu de origem portuguesa, organizou vários grupos de Illuminati na França, recrutando muitos adeptos, a quem ensinava a doutrina da reintegração. As lojas fundadas por Martinez eram místicas, enquanto as outras ordens da Maçonaria eram mais racionalistas. Isso permite dizer que as sociedades secretas representavam os dois lados da mente judaica: racionalização prática e panteísmo.

– Bernard Lazare in L'antisémitisme: son histoire et ses causes.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

domingo, 12 de novembro de 2017

terça-feira, 7 de novembro de 2017

who were the Proto-Aryans?

Who were the Proto-Indo-Europeans?

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

oposição anti-Ariana






















feitas bem as continhas, esta suposta "alternativa" ao sistema racista anti-Ariano, é tudo menos pró-Ariana, sendo até "anti".

solução: mais impostos










































divida publica supera pela primeira vez os 250 mil milhoes de euros

terça-feira, 31 de outubro de 2017

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Adolf Hitler on cultural marxism

Adolf Hitler on Cultural Marxism

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

domingo, 15 de outubro de 2017

cds e o ramadão














a direitralha doente mental democrata-cristã, sempre na vanguarda da luta contra o 'islamo-esquerdismo'.

sábado, 14 de outubro de 2017

be e pcp no abismo


Por Cristina Miranda

 Eles queriam dar um salto. Achavam que estavam a fazer um brilharete espectacular ao lado do Costa. Estavam excitados como miúdos pequeninos que acabavam de receber a sua primeira Playstation no Natal. E foi caso para isso. Ambos sabiam que com 8 e 10% miseráveis nunca na vida chegariam ao poder para pôr boys na máquina do Estado (vejam onde colocaram o Louçã com ajuda do Costa). Entretanto, claro, no meio de umas reivindicações tiveram de comer camiões de sapos, ora cozidos ora crus, empurrados pela ganância do poder. Mas, azar! Sem saberem estavam a condenar à extinção os próprios partidos dando,  isso sim, um valente mergulho. Que chatice.

Com efeito, o eleitorado não perdoou esta traição. Os partidos que eram da oposição e prometiam justiça social, fim da austeridade, fim dos privilégios dos políticos (lembram-se que aprovaram as subvenções vitalícias?) e fim dos aumentos de impostos estavam sem espinha dorsal ao som da bitola do Costa que, enquanto repunha uns tostões, carregava a fundo em todos os impostos indirectos e criava mais alguns com a ajuda da Mariana, essa economista trambolha que nem a vida sabe governar (todos sabemos que vive da caridade de uma amiga). Não há perdão para hipócritas.

A Mariana na noite eleitoral, nem conseguiu disfarçar a tremenda desilusão que trazia. Afinal a menina “brilhante” do BE não convenceu sequer um minuto com seus“dotes excepcionais” nas finanças com sugestão de impostos sobre tudo e mais alguma coisa que mexe.
A Catarina com propostas de mudança de sexos aos 16, homens a engravidar, 
transportes só para mulheres, legalização de imigrantes ilegais só com promessa de contrato de trabalho, ataque ao turismo e alojamento local, também não encantou. Afinal que se passa?

É claro que comunista que se preze nunca admite derrotas. Mesmo que esteja a afogar-se nelas. As desculpas cairão sempre sobre outros. Assim, Jerónimo culpou os portugueses por essa opção errada afirmando que se iriam arrepender. E mais, ainda justificou essa derrota alegando uma campanha sistemática de ataque anti-comunista. Não terá antes sido ao contrário? 

Não terá sido por abertamente ter apoiado o regime da Coreia do Norte, da Venezuela ou Angola? Por ter candidatos que afinal são iguais aos outros e também são corruptos? É que o comunista português diz-se comunista mas na verdade não o é. É uma “espécie de comunista que pensa como socialista-democrata”. 

Ou seja um ser que mistura ideologias, porque não sabe a origem delas, desconhecem quem foi Marx ou o que é “O Capital”, apenas PENSA que ser comunista é ser o mais à esquerda que os outros, logo PENSA serem os mais “amiguinhos dos pobres”. Mas depois, quando lhe vão ao bolso, quando percebem que apoiam ditaduras, quando os vêem a roubar tanto como aqueles que condenam, já não se revêm no apoio a esses regimes extremistas. E facilmente fogem para o PS…  social-democrata (sim, o nosso PS é social-democrata). (...)


o texto fica por aqui, porque a continuação tem inverdades sobre Hitler e o NSDAP.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

sempre actual

















ontem, como hoje...

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

sócrates acusado de 31 crimes















...e 24 milhões em luvas.
veja-se a estrelinha de sião, na parede por detrás do preso 44. tudo a condizer...